quinta-feira, 21 de março de 2013

REinventar-se


Escrevo sobre o papel aquilo que a vida me escreve em circunstancias.
Depois de tanto lhe apertarem, ela enfim resolveu criar um blog. Seu nome? Renata Rabelo. Uma menina estranha, interiorana, e por isso mesmo tímida.  Mas não daquelas timidazinhas bobas. Ela sabe ser cara de pau, quando precisa. Leonina, ácida, reclamona e careta, e tão crítica e desconfiada que nem sequer em si mesma, acredita. Vive a contradição de ser quem é.  É abusada, é palhaça (tão palhaça que às vezes não sabe a hora de parar). É mais medrosa do que corajosa. É amarela, baixinha, cacheada, dentuda e espevitada.
Sonhadora que só ela, inventa causos, sonha com o inalcançável, especialmente em se tratando de amar. Na verdade, ela é um aprendiz na arte das ilusões e desventuras amorosas. É egoísta, é invejosa, é fria... Porque não? Não sabe fazer cafuné, mas em compensação sabe bem como pedir um dengo, um colo.
Ama música, chocolates, por do sol, poesia, livros e filmes de romance, origamis, o cheirinho da mãe e o sorriso do pai quando lhe diz “minha filha, tenha calma, tenha paciência”, mesmo em uma discussão. Gosta de branco, de amarelo e azul, do mar, de corujas e cavalos. Renata também gosta de observar pessoas nas situações mais corriqueiras, gosta de gatos e de idosos, por isso mesmo prefere casa antiga, quintal e doce de batata. Ama fotografia e músicas antigas. É sentimental, chorona, piedosa e solidária. 
Ama unhas vermelhas, arranhões e mordidas, sabe vestir-se de santa, sabe vestir-se de... Nu. É libidinosa. Não tem preferencias, mas uma barba sabe bem como lhe desenhar arrepios.
Renata é estudante do 9º período de fisioterapia, e começou a escrever ainda ontem, em 2012, estimulada por uma amiga, que lhe dizia que costumava fazer dos pensamentos palavras. Não costuma inventar, nem sabe. Gosta mesmo é de dizer o que vê. Escreve muito pouco. Tem uma vida monótona, por isso a falta de inspiração. Enfim... Deixo aqui um espaço para quem desejar acrescentar algo mais sobre ela. E, se ainda assim interessaram-se, leiam o que por aqui ela deixar escrito. ATENÇÃO: tenham paciência, leiam com piedade. 

Um comentário: