segunda-feira, 27 de maio de 2013

Amor divertido

Eu quero um amor bagunçado,
Pendurado,
Virado, de cabeça pra baixo.
Eu quero um amor adocicado,
Largado,
Melado,
Caramelizado,
Roubado,
Achocolatado,
Meio quente,
Meio gelado,
Feito de açúcar.
Com amassos,
Sem atrasos,
Sem demora.
Depressa,
Valendo...

Renata Rabelo
Poetisa

quarta-feira, 22 de maio de 2013

Meu amor é mansidão


Meu amor é feito passarinho,
Que de galho em galho,
Pouco a pouco
Constrói seu ninho.

Meu amor é vento sem direção,
É ar que bate porta,
Tira poeira do chão.

Meu amor é feito nuvem no céu
É branda,
É clara, feito papel.

Meu amor é cheiro,
É tempero,
É fogo acesso.
Sem tempo,
Sem hora,
Sem pressa,
De mansinho.

Renata Rabelo
Poetisa

domingo, 19 de maio de 2013

Dueto


O teu fogo
Eu apago com minha saliva.
Mato a minha sede
Bebendo-te até o último gole.
Delicio-me de ti,
Apertando as tuas curvas
E mordendo-te por inteira,
Agrado-me de tua carne.
Entrelaço meus dedos em teus fios,
E sem demora
Puxo-te para perto de mim.
Enquanto minha pele e pelos se arrastam em ti,
Sentimos aquele cheiro inconfundível de desejo no quarto,
Tendo o pudor ao chão, junto às nossas roupas.
Agora, cavalgando sobre a minha peça viril,
Agrido-te, sentindo as tuas coxas molhadas.
E então, deglutimos entre gemidos os nossos beijos.
Foi assim que o sabor salgado do suor de sua nuca,
Impregnou em meus lábios,
E também o teu batom que agora mancha meu corpo de prazer.
Sua língua molhada, por fim
Brincou com a minha libido
Enquanto meu sorriso de excitação entregava
O quão próximo do clímax estávamos.

Renata Rabelo e Carlos Pinto
Poetas e Libertinos

Acesse: http://bemymonster.wordpress.com/

Encontro


Tendo o coração aflito,
Lembrou-se dos amores distantes.
Concentrou-se, 
e resolveu então rezar baixinho.
Foi assim que nesse instante
Algo como um espírito lhe invadiu,
E falando estranhamente,
De um jeito que não era seu
Ela entendeu
Que havia, finalmente
Encontrado com Deus.

Renata Rabelo
Poetisa

Pingos de saudade


Trocando palavras doces ao telefone
Não pode ver,
Quando dos olhos de sua amada
Escorreram vagarosamente,
Dois pingos de lágrimas
De saudade.

Renata Rabelo
Poetisa

quarta-feira, 15 de maio de 2013

O meu amor é teu

Se o meu coração ao mundo gritasse
pediria ao tempo que não pare,
Para que você, então repare
que o meu amor é teu.

Renata Rabelo
poetisa



Nós nos completamos

No deslizar da tua palma
o meu coração reconheceu a tua alma,
e a minha confusão calou-se na serenidade da tua calma.

Renata Rabelo
poetisa

quarta-feira, 8 de maio de 2013

Não passa


Deste incenso aceso ao chão,
vou queimando minh’alma
sem inspiração,
em mais um dia,
nesta solidão
que não passa.

Renata Rabelo
Poetisa

segunda-feira, 6 de maio de 2013

Indecisão


Vivo o caos de amar 2 (dois) homens ao mesmo tempo.
Um, se expressa na loucura.
O outro, na sensatez.

Aquele que é loucura,
porém,
faz-se também aconchego.
E o que é sensatez,
vontade.

De tudo isso,
Pior que amá-los,
É ter que decidir entre um deles.

Renata Rabelo
poetisa