sexta-feira, 7 de junho de 2013

Deleite

Tomado pelo desejo,
Agarrou-me depressa pela cintura,
E olhando-me fixamente,
Acariciou o meu rosto com a sua barba
Beijando-me longamente e como nenhum outro.
Entre devaneios,
Na minha loucura
Mordia os seus lábios,
Na tentava de matar a minha fome,
E arranhava as tuas costas
Ouvindo-te delirar em gemidos baixinhos.
Foi assim, que me puxando pelos cabelos
Jogou-me de 4 sobre o sofá dá sala
E encostou com vigor o seu órgão
Dizendo-me palavras atrevidas ao pé do ouvido,
Arrepiando-me por inteira.
Já no ato
Delirávamos entre suor, saliva e lágrimas
E uivávamos como dois lobos insaciáveis.
Até que por fim, gritamos
Do gozo enfim chegado.

Renata Rabelo
poetisa

Nenhum comentário:

Postar um comentário