domingo, 13 de julho de 2014

Seguindo

Nas palavras
no borrar do papel,
alimento-me da minha poesia.
E é nesse intento,
Que me desfaço e me reinvento.
Quando no vazio do meu lamento,
sem alegria ou contento,
Sigo e só.

Renata Rabelo
Poetisa

quinta-feira, 10 de julho de 2014

Sem você

Se parares de me amar, meu bem
Na tua falta,
fugiria.
Navegaria mil mares a fio,
e então mergulharia.
Na imensidão,
sobre a escuridão,
nas profundezas buscaria.
Em ti,
nas lembranças a alegria.
No descompasso do meu choro,
no teu sorriso a fantasia.
E o meu amor,
que para sempre a ti entregaria
Ao mar,
a corrente enfim levaria
para nunca mais voltar.

Renata Rabelo
Poetisa

*Para o meu grande amor, Nicolas.