domingo, 13 de julho de 2014

Seguindo

Nas palavras
no borrar do papel,
alimento-me da minha poesia.
E é nesse intento,
Que me desfaço e me reinvento.
Quando no vazio do meu lamento,
sem alegria ou contento,
Sigo e só.

Renata Rabelo
Poetisa

Nenhum comentário:

Postar um comentário