domingo, 17 de agosto de 2014

Caderneta sem pauta

Caderneta sem pauta,
contemplo a brancura do teu papel
no desejo do desabrochar da poesia verdadeira
no jardim da alma minha.

Renata Rabelo
Poetisa

Nenhum comentário:

Postar um comentário